David Bowie do Dia #024 para MTV1

[original aqui]

[todos os David Bowie do Dia para o MTV1 aqui]

DAVID BOWIE DO DIA #024 – BOWIE E ENO

Postado Gaia Passarelli // brian enodavid bowiedavid bowie do dia

Entre os grandes rivais do Bowie no universo glam setentista estava o Roxy Music. A banda, fundamental na história do rock inglês, tinha entre seus integrantes o crooner Brian Ferry e o tecladista/produtor Brian Eno – ou Brian Peter George St. John le Baptiste de la Salle Eno.

No auge do sucesso do Roxy Music, Eno era um abusado dandy calvo/cabeludo, erudito e experimentalista que ameaçava a atenção dada ao vocalista Ferry. Acabou por se tornar uma das figuras mais inventivas da música contemporânea, produtor da melhor fase do U2, padrinho do Devo, parceiro criativo de David Byrne e John Cale e influência de artistas que vão de Laurie Anderson a My Bloody Valentine. E segue na ativa: seu álbum mais recente é de 2012, o ‘Lux’, pela gravadora britânica Warp.

As credenciais experimentais de Eno, que no fim dos anos 70 já tinha pulado fora do Roxy Music e enveredado pela criação da música minimalista, devem ter falado alto para Bowie, que fez dele um de seus mais notórios parceiros.

Juntos, Bowie e Eno fizeram ‘Low’, álbum de 1977 que inaugura a célebre ‘trilogia de Berlim’. Low deve muito ao kraut-rock e à eletrônica germânica e tem um lado inteiro dedicado à ambient music – tudo isso, interesse de Eno nos anos 70.

A chegada de Eno nas gravações de ‘Low’, que aconteceram em um castelo francês (também usado por Grateful Dead, Elton John, Pink Floid e Fleetwood Mac, entre muitas outras bandas) alterou a forma como Bowie trabalhava, intencionalmente. Com um sintetizador, muitas idéias e uma forma bastante única de trabalhar: o jogo de cartas batizado de Oblique Strategies, com sugestões de direções a serem tomadas.

Carlos Alomar, guitarrista da banda de Bowie durante boa parte dos anos 70-90, conta no livro de David Buckley, ‘Strange Fascination’, que ficou de lado durante esse processo: “David e Brian eram dois caras intelectuais e eles tinham uma camaradagem totalmente deles, uma coisa europeia. Era pesado demais pra mim. Ele e Brian passavam horas falando de música em termos históricos. Quando Brian está por perto, não se iluda, é ele que está no controle. Ainda mais do que David, porque ele controla tanto a mente quanto a direção de David. Eu não tinha nenhum controle sobre o que estava acontecendo durante essas gravações. E eu preferi assim”.

Eno participaria também dos dois outros discos da trilogia, ‘Heroes’ e ‘Lodger’. Logo, esse grandioso hino do fim dos anos 70 tem o dedo dele.

Anos mais tarde, na década de 90, Eno seria um dos poucos felizes convidados para a cerimônia de casamento de Bowie com a top model Iman, pouco antes de voltar a trabalhar com Bowie na experiência eletrônico-industrial de Outside, em 1995.

About gaia passarelli

Freelance writer and traveler, based in Sao Paulo, Brazil.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: